Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




A tristeza da sala de espera

por Sakura, em 14.08.07
Numa sala de espera de um centro de saúde qualquer, a felicidade parece ter fugido pela porta de entrada lá para fora onde o sol brilha.
Aqui dentro é sempre Outono: velhotes passeiam as suas dores apoiados na bengala, mães preocupadas roem as unhas pensando no dia de trabalho que estão a perder, crianças impacientam-se  nos bancos... todos suspiram «quem me dera não estar aqui...»
Nos filmes, as salas de espera são sempre bonitas, alvas, cheias de luz, transpirando tranquilidade.
Aqui não. Aqui há o branco lascado das paredes, o castanho desbotado dos rodapés, o verde acinzetado do chão; as janelas estão fechadas (para não deixar entrar o sol ou para não deixar sair a tristeza?)
Podiamos acalentar a esperança de que o médico lhes tirasse as dores, que as suas nuvens cinzentas saissem daqui tal qual o céu numa fresca manhã de Verão. Mas saem daqui tal qual entraram.
Porquê?
Talvez não precisem do médico de família, mas sim de um médico da alma...

Autoria e outros dados (tags, etc)

Os terceiros a contar do Sol

por Sakura, em 14.08.07
Hoje, enquanto tomava o pequeno-almoço, ouvi nas noticias um manifestante contra o alargamento do aeroporto de Heathrow dizer:
«Numa época de crise ambiental, é impensável...»
Estas palavras fizeram clic na minha cabeça. A verdade nua e crua é mesmo esta: o ambiente nunca esteve tão desregulado como agora. A saúde do planeta está por um fio e, em vez de invertermos este rumo, ainda ajudamos mais ao problema. Temos senadores norte-americanos a defender que caso a temperatura do planeta suba, a solução é desabotoar a camisa; temos governos britânicos a quererem aumentar 21 aeroportos (quando existem, certamente, outras questões mais significativas a requerer atenção).
Entristece pensar que as nossas vidas são governadas pelo lucro, pelo afã de gerar mais e mais «notinhas verdes».
Deixámo-nos acomodar ao prazer dos banhos de imersão, à facilidade de deitar o lixo todo no mesmo contentor, ao milagre da electricidade nas nossas casas. Tudo coisas boas, sem dúvida, mas também prejudiciais quando usadas irresponsavelmente. 
Não digo para nos tornarmos radicais - protestar contra a globalização, ingressar a Greenpeace, amarrarmo-nos a uma árvore... Não, não é preciso tanta «loucura»!
Pequenos gestos como desligar a água enquanto nos ensaboamos, apagar as luzes quando saimos de uma divisão da casa, separar o lixo para a reciclagem (agora até as Camâras Municipais oferecem ecopontos!).
São acções como estas - inócuas, indolores e, no fim de contas, recompensantes - que melhoram o ar que nos envolve.
Não acredito que haja alguém que goste de assistir à lenta deterioração do espaço onde mora.
Uma vez que impera o lema do lutar pelo benefício próprio sem olhar a quem pisamos pelo caminho (não que eu concorde com este modo de vida, mas a sua discussão fica para outro post), então VÁ! Lute, esgravate, faça das tripas coração para tornar o lugar onde vive num sítio melhor!

Autoria e outros dados (tags, etc)


Quem é a Sakura?

O meu nome é Raquel Lemos. Sakura significa “Flor de Cerejeira” em japonês; escolhi-o pela sua sonoridade e pela beleza das flores de cerejeira. A ideia de criar um blogue nasceu da pergunta «E porque não?»; admito que não venho aqui muitas vezes para escrever... o Blackberry Pancakes funciona mais como uma terapia: pequenas ideias que vou deixando (que se não revolucionam o planeta, ao menos revolucionam o meu mundo!) Obrigada a todos!


Facebook


Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2007
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2006
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D